Turma de Serviço Social em Ouricuri registra e debate contrastes sociais no Brasil

04/02/2014 17:52

Acadêmicos do curso de Seguridade e Serviço Social, da Faeco (Faculdade Ecoar – polo Ouricuri), realizaram neste último domingo (02) um registro fotográfico e discussão sobre algumas das mais evidentes contradições socioeconômicas no Brasil de ontem e de hoje. A atividade, que foi realizada nas ruas de Ouricuri, fez parte da disciplina Contradição da Formação Sócio-Histórica do Brasil, no 4º período do curso. Os acadêmicos foram às ruas e registraram em imagens contrastes em áreas como habitação e infraestrutura.

A primeira equipe, formada pelos alunos Lindeilma Medeiros, Edna Jordão, Gislaine Pereira, Janicleide Pereira, Jucélia Gomes e Maria Cícera, registrou grandes diferenças no que se refere à habitação. Enquanto uma família reside em uma casa de taipa, em condições precárias de segurança e conforto, outra família mora em um casarão de luxo, isto em locais muito próximos. Esta condição se deve, além de outras, a desigualdade de distribuição de renda e ao legado histórico da formação socioeconômica brasileira: concentração de renda nas mãos de poucos. Mesmo diante de um Brasil sendo membro do novo grupo de países emergentes – o BRICS, composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e sendo o Brasil a 6º economia mundial, ainda nos deparamos com esta realidade. Vimos políticas públicas de fomento a habitação, a exemplo do programa Minha Casa Minha Vida, mas que mesmo estas sofrem acusação de fraudes em seus sistemas de seleção.

A segunda equipe, composta pelos integrantes alunos Alinne Venâncio, Edja Solleany,Eriviany Solleany, Jéssica Alves, Joan Ivilo e Roberta Miranda, trouxe a perspectiva da estrutura da malha rodoviária. Enquanto a Avenida Antonio Pedro da Silva possui um asfalto de qualidade, em contrapartida o trecho de acesso ao bairro Alto Paraíso está em péssimas condições. Talvez se deva pelo fato da avenida ser um grande centro comercial e urbano na cidade. Contudo, a péssima condição da via de acesso ao Alto Paraíso pode trazer sérios prejuízos ao desenvolvimento econômico e social daquele bairro. Outro fator a ser observado é a falta de mobilização social em busca de soluções, mesmo já tendo havido um movimento, mas ainda muito tímido. As gestões públicas também possuem sua parcela de culpa. Apesar do trecho danificado não ser da diretriz de atendimento municipal, nada impede de ser realizada uma parceria ou convênio entre os entes federativos para solucionar o problema, que já perdura por décadas.

A terceira equipe, formada pelos acadêmicos Aldeane Alves, Lucivânia Feitoza, Janaine Sobral, Michelle Vasconcelos, Liane Alves e Francisca Alves, tratou de registrar a situação de urbanização. Em um dado local (no caso, Avenida Fernando Bezerra), vimos um ambiente limpo e estruturado fica e logisticamente. Em contraponto, em outro local do centro da cidade, os alunos registraram entulhos e acúmulo de lixo, sendo este também um problema de saúde pública. São retratos de um país, de certa forma, muito contraditório, em que muitos vivem no luxo, outros no lixo, em condições sub-humanas.

Uma quarta equipe, composta pelos acadêmicos Amanda Michelly, Edjane Aragão, Maria Joana Darc, Rayara Matos, Gabriela Peixoto e Carla Michelle, também teve como foco as diferenças gritantes de habitação e estrutura em um mesmo bairro. A Casa dos Artistas, em Ouricuri, conta com várias pessoas vivendo em péssimas condições de higienização e necessitando urgentemente de apoio psicossocial. Há usuários de substâncias tóxicas e viciantes, bem como bebidas alcoólicas. Logo adiante, a poucos metros de distância, os acadêmicos registraram uma casa que representa todo o glamour do bairro do Batalhão, considerado no município como um “bairro de elite”. A grande maioria das casas do referido bairro são grandes residências, incluindo mansões luxuosas. Em suma, um grande contraste social em uma mesma localidade, em um mesmo bairro.

Após a atividade de registro fotográfico, os acadêmicos discutiram, junto com o professor Humberto Lacerda, sobre as contradições e contrastes da Formação Sócio-Histórica Brasileira, momento em que foram abordados vários aspectos relevantes, e os alunos registraram suas opiniões e observaram alguns pontos que serão diretamente estudados e pesquisados durante o decorrer do curso de Seguridade e Serviço Social. Um momento de grande discussão sobre aspectos de alta relevância no cenário brasileiro.

TEXTO: Humberto Lacerda

 

Voltar

Comente esta postagem

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário

© 2013 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátis

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!