Matéria: Facebook - situações que merecem sua atenção

16/11/2013 10:38

É cada vez mais vidente o impacto que as redes sociais estão trazendo para a vida das pessoas. Contudo, nem sempre são positivos. A rede social Facebook, alvo deste texto, é uma das que mais necessitam de atenção quando do uso por seus membros. Percebemos, neste sentido, uma infinita diversidade de perfis e publicações das mais variadas formas que se possa imaginar. Todavia, trago alguns casos que, porventura, merecem um cuidado e atenção especial:

1. Cuidado com a escrita: Convenhamos que o sistema educacional brasileiro não tem atendido a demanda da população da forma mais adequada, mesmo que ultimamente venham ocorrendo algumas tímidas melhorias. A falta de qualidade na educação ainda é, infelizmente, notória. Porém, ao escrever algum comentário ou postar algo nas redes sociais, deve-se ter o cuidado para não cometer erros "grosseiros" de ortografia. Isto não quer dizer que o usuário não possa errar uma vez ou outra; isto implica dizer que, na medida do possível, antes de escrever é importante checar se algo está errado, visto que a internet, principalmente nos dias atuais, é uma das principais ferramentas de marketing pessoal, ou seja, sua imagem está exposta a todos de sua rede. Outrossim, erros grosseiros de ortografia podem significar "desleixo".

2. Cuidado com as fotos: Algumas fotos são muito particulares, outras nem tanto. Mas, quando se compartilha praticamente todos os momentos da vida fica a ideia do usuário estar transferindo ao mundo a sua privacidade. Um exemplo que se percebe é a exposição exagerada de recém-nascidos. É como se fossem medalhas, troféus e condição de status social. Filhos são muito mais que isso: ter um filho é assumir uma grande responsabilidade. E fica ainda uma indagação: é mesmo necessário mostrar todos os movimentos dos bebês? Todos os dias, todas as horas? É realmente necessário fazer festa todos os meses do ano, ou seja, 12 vezes por ano? Filhos são uma dádiva de Deus... Contudo, são seres huamnso, não são objetos de decoração. 

3. Religiosidade extrema: A diversidade religiosa é algo salutar, ou seja, algo saudável. Respeitar esta diversidade é mais saudável ainda. Contudo, ao utilizar uma rede social apenas para publicar mensagens bíblicas ou dizer quem está certo e quem está errado (baseando em suas crenças particulares) não se constitui em rede social. Isto se chama "Blog". Além disso, pode gerar a ideia da pessoa ser, digamos, "fanático" religioso. É certo que Deus deve estar sempre em primeiríssimo lugar, mas... Será que este lugar é o Facebook?

4. Fotos de cadáveres: Algo que vem deixando muitas pessoas chateadas é o fato das postagens desmedidas de cadáveres. Talvez o maior propósito disso seja adquirir audiência e visibilidade nos blogs e nas páginas sociais. Mas, em que estado ficam os familiares das vítimas? E a consideração com os familiares e com o próprio defunto? Será que essa busca desenfreada por audiência e notoriedade realmente valem a pena, utilizando de artifícios como este? Mas faço aqui um parêntese: quando se trata de um informativo policial, aí a coisa muda. Só visualiza ou acessa o site quem quiser. Mas, no Facebook, o indivíduo abre sua página e se depara com corpos mutilados, sem pedir para ver. Corre o risco até da exclusão de contatos por conta disso. Seria mais sensível, antes de publicar tais imagens, criar algum mecanismo que filtre se a pessoa quer ver ou não. Cada um faz o que crê ser mais conveniente. Mas isso não deixa de ser uma falha do Facebook.

5. Forçar a barra: Há perfis de usuários que deixam evidente os pedidos de elogios. A todo instante postam fotos bem vestidos. E só postam isso, o tempo todo. Trata-se praticamente de um desfile de beleza pessoal, aguardando que os outros rasguem os elogios do tipo: "tá linda", "poderosa", "tá um gato", "maravilhosa"... Os elogios devem vir pela sinceridade, e não pela apelação. Mais uma vez deixa de ser uma rede social para se transformar em um "Blog da Beleza".

6. Desabafos: às vezes, o ser humano passa por situações que incomodam tanto que não conseguimos filtrar a melhor resposta ou a melhor solução. Neste aspecto, percebemos muitas pessoas que usam o Facebook o tempo todo para falar mal do mundo, falar mal do sistema, enfim, falar mal da vida. Que tipo de imagem está sendo transmitida? Claro que a ideia não é se deixar pelo que os outros vão pensar, é por sensatez mesmo.

E você, o que acha? concorda com algo? discorda? então comente abaixo. Participe!

TEXTO: o autor.

IMAGEM: basilidesbg.wordpress.com

Voltar

Comente esta postagem

  • Data: 31/12/2013 De: Ana Lúcia

    Assunto: FACEBOOK

    Gostei da matéria. Parabenizo o autor pelos assuntos abordados, isso serve-nos de alerta.

    Responder

  • Data: 18/11/2013 De: Dilma de Caboclo

    Assunto: Agradeço.

    Quero parabenizar pelo assunto abordado, pois se bem utilizado será benéfico com achados muito importante. Por vezes que se usarem para transmitir boas e novas idéias que acrescente ao ser, amigos ou não, informações e palavras de reflexão na melhoria da vida em si. Isso sim será muito convenientes, mas poucos entendem ou passam esta mensagem. Obrigada pela bela explanação do assunto. Deus te abençoe.

    Responder

  • Data: 16/11/2013 De: Elismar Rodrigues

    Assunto: Facobook

    Só pra reforçar.

    A VERDADE SOBRE O 'FACEBOOK'

    O Facebook vende a informação dos seus usuários ao maior espião; cito textualmente: 'O que muitos usuários não sabem é que, de acordo com as condições do Contrato que virtualmente assumem, ao clicarem no quadro "Aceito", os usuários autorizam e consentem ao Facebook a propriedade exclusiva e perpétua de toda as informações e imagens que publicam.
    Assim, ressalta o perito, os membros 'automaticamente autorizam ao Facebook o uso vitalício e transferível, junto com os direitos de distribuição, de tudo o que colocam na sua página Web'. Os Termos de Uso reservam ao Facebook o direito a conceder e sub-licenciar todo o "Conteúdo do Usuário" para outros propósitos. Sem o seu consentimento, muitos usuários convertem as suas fotografias em publicidade, tranformando um bem privado em comércio público.
    De repente, tudo o que os seus membros publicaram, incluindo as suas fotografias pessoais, as suas tendências políticas, o estado de suas relações afetivas, interesses individuais e até o endereço de suas casas, foi enviado sem autorização expressa a milhares de usuários.
    Há de se acreditar em Mr. Melber, quando assegura que muitos empregadores americanos, ao avaliar os currículos, consultam o Facebook para conhecer intimidades dos candidatos. A prova de que uma página no Facebook não é privada, evidenciou-se em um conhecido caso da Universidade John Brown, que expulsou um estudante quando descobriu uma foto que este colocou no Facebook, vestido de travesti. Outra evidência aconteceu quando um agente do Serviço Secreto visitou, na Universidade de Oklahoma, o estudante do segundo ano Saúl Martínez, por um comentário ofensivo do Presidente.
    E, para piorar, o assunto não termina quando os usuários cancelem a sua conta: as suas fotos e informação permanecem, segundo o Facebook, para o caso de quererem reativar a sua conta; o usuário não é retirado nem quando morre. De acordo com as 'Condições de Uso', os membros não podem obrigar que o Facebook retire os dados e imagens dos seus dados, já que quando o falecido aceitou o Contrato Virtual, concedeu ao Facebook o direito de mantê-lo ativo sob um status especial de partilha por um período de tempo determinado, para permitir que outros usuários possam publicar e observar comentários sobre o falecido.
    Saibam os usuários do Facebook que são participantes indefesos de um cenário que os acadêmicos qualificam como o maior caso de espionagem na História da Humanidade. Convertem-se, de forma inconsciente, nos precursores do fenômeno 'Big Brother', alusão direta à intromissão abusiva do Estado nos assuntos privados do cidadão comum para controlar o seu comportamento social, tema de uma novela profundamente premonitória escrita em 1932 pelo britânico Aldous Huxley: "Um Mundo Feliz" ("1984").

    Fonte:http://sruffoseguranca.blogspot.com.br/2011/11/facebook-cuidados-que-devemos-ter.html

    Responder

  • Data: 16/11/2013 De: Dhone Monteiro

    Assunto: Facebook

    Parabéns pela matéria, trata-se de uma contribuição quase psicanalítica que certamente ajudará aqueles que usam as redes sociais para se completarem como pessoas. Os cuidados com a privacidade e a intimidade devem ser considerados, pessoas mal intencionadas estão a caça de oportunidades para levar vantagem em alguma situação. O respeito a dignidade humana e o amor ao próximo nunca devem ser esquecidos. O texto coloca claramente as desvantagens de comportamentos perigosos nas redes sociais, claro que há inúmeras vantagens, mas o bom senso deve prevalecer para nossa própria segurança e das pessoas que amamos.

    Responder

Novo comentário

© 2013 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátis

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!